Provedor é obrigado a revelar usuários que baixaram pornografia

Enquanto o Egito se prepara para impor uma proibição nacional da pornografia na Internet, o acesso a conteúdo pornô na Internet continua a todo vapor em todo o mundo.

Hoje, o jornal The Telegraph informou que um juiz da Alta Corte ordenou que o provedor O2 Broadband, parte do império da nossa conhecida Telefónica, forneça detalhes de mais de 9 mil clientes para as produtoras Ben Dover Productions e Golden Eye International, que alegam que os usuários estejam baixando conteúdo pornô ilegalmente. A O2 já havia contestado a petição para identificar seus clientes, mas a decisão do Tribunal Superior significa que o provedor agora deve entregar os dados de exatamente 9.124 endereços IP, identificados pela Ben Dover Productions por terem baixado conteúdo ilegal.

Pornô Genérico

Algum pornô genérico

O grande problema é como estabelecer a culpa baseada unicamente em um endereço IP? Estar associado a um endereço IP que tenha sido associado a atividades ilegais pode implicar culpa, mas na prática, só prova que o endereço IP foi usado para essa atividade, mas não prova que o “proprietário” do IP esteja diretamente envolvido – ou mesmo tenha conhecimento desta atividade…

O mais engraçado dessa notícia é que a Ben Dover Productions quer £700 (mais ou menos R$ 2.000) de cada cliente que baixou o conteúdo ilegal.

Já pensou se essa moda pega aqui no Brasil?

Via Neowin

Fabrício Araújo

Web Designer, Blogueiro, Microsoft Beta Tester, Analista de TI, criador do Inforlogia e viciado no Xbox 360 (ainda mais depois da chegada do Kinect).

Microsoft
Logo Windows 8
  • DilmaCabeção

    deveria todo mundo era processar essa empresa em um processo em massa por danos morais e materiais . 

  • M Silveiralima

    o povo brasileiro nao sabe / mas todo provedor tem acesso a essas informções
    inclusive eu tenho um provedor via radio / descobri que um amigo meu é gay atraves do relatorio de sites que ele acessou / sei tambem de conversas do msn de todo mundo